REINTEGRAÇÃO JÁ.

                     

domingo, 12 de junho de 2016

Burro ou louco.


   LINK jornal De fato.com -  9 anos de reclusão, foi a sentença proferida pelo Juiz Federal Orlan Donato Rocha em desfavor de Edvaldo Fagundes, dono do grupo Lider, um grupo de empresas do ramo de sal e tecidos, aqui em Mossoró e em outras cidades deste Brasil de meu Deus. 

   Al Capone para uns, empresário para outros, há quem diga que o trafico internacional de drogas sofreu uma baixa, outros pedem anonimato mas que sabem que Ele deu o mesmo valor para patrocinar a campanha de Larissa Rosado e Claudia Regina penso que nem sabia disso. Sei que o cidadão da foto terá dias turbulentos, claro, quem planta, colhe. 

   "7 integrantes do Grupo Empresarial Lider, com sede em Mossoró RN". Assim começa a reportagem do De fato, link acima. Pelo que entendo da Lei, formação de quadrilha ou bando também é crime mas a reportagem fala apenas em "falsidade ideológica". Entendo que a partir de agora os outros crime do cidadão devem seguir de sentenças condenatórios com duras penas. 

   Deve também se atentar que o condenado deve uma substancial quantia aos tesouros, sob forma de sonegação fiscal e direitos trabalhistas, dentre outros que deve custar ao apenado uma bagatela de mais da metade de seus bens que estão espalhados nos nomes dos laranjas que aceitaram essa condição e assumiram o risco. Bem feito. O crime nunca compensou e estamos vendo isso todos os dias. Não só pobre, preto e puta que vão pra cadeia, empresários e políticos também estão sendo caçados pelo braço da Lei.

   A 8ª vara Federal, diferente da 2ª vara Federal de Natal RN, que mantem sem uma data em algum horizonte visível a olho nu, a confirmação de sentença, do processo que se arrasta a longa data, daquela antiga operação Higia que condenou Lauro Maia, filho da, na época, governadora Wilma de Faria,  por crimes, dentre eles o furto do dinheiro da saúde. A condenação do chefe "quero dizer" filho da chefe" da quadrilha estão ainda mamando nas tetas saborosas do governo, a sentença de primeiro grau condenou Lauro Maia a 16 anos 3 meses e 18 dias e pra tal pena ser proferida o MPF, teve que ameaçar o Juiz, a demora na época era tal qual agora.

   Por fim, penso que meu arroz com feijão de todos os dias, é melhor que a picanha com sabor de cadeia. O crime não compensa, e quem achar que está acima da Lei, pode pegar seu sal grosso e reze para a deusa da saúde, limpeza e sanidade e só assim você descobrirá que ser criminoso é " ser burro ou louco".  "Justiça seja feita: nem todo ladrão é político!" Desconhecido.
Postar um comentário